Orgulho LGBTQ+: Love, Simon impressões


O filme tem uma temática que está em alta em Hollywood: Romance LGBTQ+. Era mais fácil vermos filmes com essa vertente sendo produzido por produtoras menores e independentes. Acho interessante que o filme se encaixaria para um publico mais jovem, digamos que entre os 15 ao além (porque tenho 20 e me divirto com filmes adolescentes). O que quero dizer é que introduzir temas como aceitação, respeito ao próximo entre outros nos jovens, é uma das melhores formas de produzir uma geração menos intolerante e mais aceitável ao que não é "tradicional";

Esse post não tem spoilers, é mais um reviewzão do filme que foi uma bomba cheia de conteúdo para eu jovem adulto, imagina para os adolescentes que passam por tudo que Simon passa. É como eu disse no post anterior sobre rótulos e aceitação, cada um tem seu momento, e mostrar como é o momento para uma pessoa pode servir de inspiração para outras e é por isso que devemos compartilhar mais sobre esses assuntos. 

Com esse tipo de conteúdo nos meios de comunicação é possível que estamos próximos a uma mudança de atitude perante a intolerância? (Quando a gente começa a virar adulto, começamos a questionar questões mais complexas.)

Eu acredito que materiais com esse assunto podem começar a fazer a diferença, não dizem que os jovens são o futuro das próximas gerações? Então vamos atingi-los com coisas relevantes, vamos tradicionalizar as cenas que não são tradicionais. Portanto um filme como esse é essencial para que pessoas que se sentem como Simon e eu, possamos acreditar que existe esperança para que possamos ser nós mesmos. Outra parte do filme que me atinge é o fato de ele ter pessoas que o apoiam e suportam para que ele não se sinta mal por ser do jeito que é. Isso nos ensina que existem pessoas que podemos nos ancorar, passar por momentos de aceitação sozinhos pode ser uma dor muito difícil de se entender e superar. 

Com as palavras de Simon: "Porque somente nós precisamos assumir quem somos?". Segue esse questionamento para fazermos a nossa consciência. 

0 comentários